Palavra de Diretor – Ernesto Piccolo

Ação e reação

Eu amo a minha profissão! Ela sempre me surpreende! Já acertei, errei, fiz sucessos, fracassos… Venho aprendendo ininterruptamente ao longo desses 41 anos dedicados ao teatro e aos olhos dos que o apreciam. Este mês, estreei mais um espetáculo #broncadequê?

São cinco atores, todos diferentes, mas um com síndrome de Down, Pedro Baião. Ele já havia sido meu aluno no Tablado, filho da minha prima e muito amado pela família.

Há algum tempo venho querendo voltar a fazer um trabalho para os jovens. Theo Nogueira, um jovem ator, me procurou pedindo trabalho. Tinha nos olhos uma alegria e uma vontade contagiante, que me fez ligar para o meu velho parceiro Rogerio Blat pedindo um texto. Theo, na hora, se lembrou do Pedro. Rogério amou a ideia e Pedro mais ainda! Como diretor, “obriguei”: aulas de voz, dança, o Tablado (ele não vai parar nunca), decorar o texto e uma dieta.

Quando começamos o ensaio para valer, Pedro era o único que tinha decorado tudo. Escrevia todas as marcas e mudanças no texto. Um profissional da melhor categoria. Nossa convivência nos fez perceber quanta bobagem existe nos conceitos, pré-conceitos, nomenclaturas… Perdemos muito tempo classificando. Tudo é mais simples. Colocar-se no lugar do outro, a ação e a reação, um olhar de aprovação, um gesto de carinho, demonstração de amor… o amor! Sentir-se amado dá força, estimula e dá coragem! E a luta é árdua!

20 de abril de 2016
admin